Y - LUZ ANGELA LIZARAZO

07.08.14

Exposição Y - Luz Lizarazo


O Y, além de uma letra do alfabeto pode ser considerado como um traço de uma linha que se bifurca. Como o conceito de fragilidade, que pode ser abordado por diferentes formas de conhecimento. Para a química a fragilidade é a qualidade de objetos e materiais perder o seu estado original com facilidade. Na medicina alguns concordam em defini-la como um estado associado ao envelhecimento que caracteriza-se por uma diminuição das reservas fisiológicas. Para mim, a fragilidade é um estado que enfrentei desde sempre em diferentes manifestações. É uma força sem regras. Chejov escreveu que os acontecimentos mais profundos, mais extraordinários e que mais nos afetam, acontecem a partir do ordinário, do cotidiano, do que pode passar desapercebido. Mas quando essa mistura de intranscendência encontra-se com o universal aparece a fragilidade como sentimento. Desta maneira encontrei os elementos que dão forma à esse trabalho. Por um lado a fúrcula ou “osso da sorte” e por outro o estilingue elaborado com ramos. Ambos elementos similares em forma, beleza e poesia, geram uma única raiz que se bifurca formando um Y. Um é o osso (fúrcula "pequenos forca" em latim) próprio das aves, que tem a função de fortalecer a caixa torácica para proporcionar maior suporte ao voo. Popularmente existe a crença de que se duas pessoas puxam simultaneamente as extremidades do osso, quem fica com o pedaço maior terá o desejo realizado. Estes ossos significam não somente expor a estrutura dos seres vivos, mas recriar o seu apoio físico e emocional através de superstição. Ambos necessário para a sobrevivência. Apesar e porque estes ossos são tão frágeis, fazer com eles um tecido é um ato poético. O estilingue projeta e dispara. Usa a mesma forma para ostentar uma violência eficaz. Mas esse estilingue é de vidro, é transparente, eficaz como qualquer, mas incapaz de proporcionar sombra. Através da forma desses elementos, o Y se revela como símbolo entre o você e o eu, entre o amor e o ódio, trânsito entre fragilidade e força.