SILVIA MECOZZI

1956. São Paulo, São Paulo, Brasil

 O interesse pela linha e transparência são o norte de sua produção. Utiliza o mármore em esculturas e objetos que abordam questões sobre a identidade e a linguagem, o corpo e a condição feminina. Também investiga e produz em outros suportes, como a video instalação Olódòdó, por exemplo, que foi destaque quando exposta no Museu de Arte Moderna da Bahia.

Participa de mostras na Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa-Portugal), na Pinacoteca e na Estação Pinacoteca em São Paulo, no Museu de Arte Moderna de Salvador (BA), Museu de Arte Contemporânea (MAC-USP), Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARG), Espaço Cultural Correios (RJ), Capela do Morumbi (SP), Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB-SP), Centro Dragão do Mar (Fortaleza,CE), Museu de Arte Contemporânea (Niterói-RJ), Galeria de Arte do SESI (SP), SESC Pompéia (SP), Casa das Rosas (SP) e em Belo Horizonte no Palácio das Artes. Em Paris na Galerie Sycomore art e na Cité internationale des arts.

No time de artistas da Galeria Eduardo Fernandes desde 2014, expõe em 2016 a série Foi tão corpo que foi puro espíritoe na coletiva Plural,realizada no mesmo ano.

Ganha o Prêmio Revelação de Pintura da APCA - Associação Paulista de Críticos de Arte em sua primeira individual em 1994, na Pinacoteca em São Paulo. É indicada em 2011 ao Prêmio Pipa, recebe o Prêmio Aquisição no VII Salão Pequenos Formatos em Belém (UNAMA) e a mesma distinção no XXIII Salão de Arte Contemporânea em Santo André. 

Amplia sua formação no campo artístico – iniciada na infância pela família de pintores – frequentando cursos livres de desenho, pintura, fotografia depois de se formar em Administração de Empresas, na FAAP-SP. Estudou com Sergio Fingermann e Carlos Fajardo e atuou como assistente no atelier de artistas no Brasil e no exterior. 

 

 

EXPOSIÇÕES